Receba informações exclusivas do Bate Forte. Acesse já! Cadastre-se Aqui

180719_BLOG BATE FORTE_CRIAÇÃO DE IMAGEM_ABRIL_BLOG

Gerir um negócio e garantir sua longevidade não é tarefa fácil, ainda mais se for uma empresa familiar. Desde a abertura do CNPJ até o sucesso da marca ou do estabelecimento, há um extenso caminho, trilhado com base em muito esforço e dedicação.

No entanto, na empresa da família nenhum desafio é tão grande quanto resolver conflitos e garantir a longevidade das operações.

Números do Sebrae e do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) apontam que as empresas familiares são responsáveis por 65% do Produto Interno Bruto (PIB) e por 75% dos empregos do Brasil.

Manter o patrimônio da família pode ser mais difícil do que se imagina. Segundo a empresa da consultoria empresarial norte-americana, McKinsey, 70% das empresas encerram suas operações após a troca de sucessão familiar e o número cai para 30% quando chegam à terceira geração. Em terras brasileiras, os números mostram que apenas 5% das empresas familiares têm chegado à terceira geração.

Para saber como resolver conflitos na empresa familiar é preciso entender suas estruturas, suas características e entender seus pontos de tensão.

O que é uma empresa familiar

Tudo começa a partir de um sonho ou puramente pela necessidade de sobrevivência. O casal ou uma pessoa inicia um pequeno negócio e os filhos crescem assistindo o esforço dos pais e aos poucos vão sendo inseridos na empresa, o que traz vantagens e desvantagens.

Geralmente, uma empresa familiar possui um ambiente mais informal, flexível, amistoso e rápido para decisões onde os sócios são – na maioria das vezes – mais comprometidos com seus objetivos de longo prazo.

Em sua formação, estes negócios costumam ser mais enxutos e com despesas menores, o que reflete em um aumento potencial de rentabilidade. Costumam gerar mais riqueza para a família, assim como oportunidades de trabalhos para familiares.

Por outro lado, empreender em família pode gerar conflitos e atrapalhar, inclusive, as relações familiares se os membros misturarem questões pessoais e profissionais.

Os laços afetivos e a intimidade podem dificultar as decisões e também comprometer o desenvolvimento da empresa. Em alguns negócios, com fundadores patriarcas, pode acontecer excesso de autoritarismo, paternalismo, concentração de poder, falta de planejamento, baixa valorização dos familiares e confusão na hierarquia e sucessão.

Como surgem os conflitos na empresa familiar

A maioria dos problemas na empresa familiar envolve disputas por poder, por dinheiro ou está diretamente ligada à relação entre os membros da família. Veja algumas possíveis causas de problemas:

Os pais acreditam que todos os filhos devem trabalhar na empresa, porém nem todos têm interesse ou talento para o negócio.

Um dos irmãos se sente preterido nas decisões da empresa ou sente que trabalha mais que os outros e deveria ser mais valorizado.

Filhos que não trabalham na empresa querem opinar nos negócios e outros membros da família discordam.

Os filhos constroem suas próprias famílias, agregando novos membros na relação empresa-família, que começam a opinar ou trabalhar na empresa.

As novas gerações desejam alterar a forma como a empresa é administrada e implantar inovações, mas os mais velhos não estão abertos a mudanças.

Outros parentes são escolhidos para trabalhar na empresa por causa do grau de parentesco, e não pela competência em contribuir com o negócio.

Há divergência na escolha do sucessor do fundador da empresa.

Como solucionar problemas na empresa familiar

 

Ao aceitar que os conflitos fazem parte do dia a dia dos negócios, tentar solucioná-los da forma mais assertiva e tirar o melhor proveito deles faz com que as empresas cresçam e aprimorem sua gestão.

Melhore a comunicação

A melhor maneira de a família se preparar para resolver conflitos é conversando e discutindo com racionalidade sobre como resolvê-los antes mesmo que aconteçam. A falta de disposição em ouvir opiniões diferentes e julgá-las sem preconceitos pode levar a empresa a quebrar. Melhorar a comunicação na empresa é fundamental.

Faça um acordo familiar

O acordo familiar é um conjunto de regras que determina como será a relação entre a família, os sócios e a empresa. Estabeleça neste acordo quem vai trabalhar ou não na empresa, defina a responsabilidade de cada um – inclusive, na resolução dos problemas –, esclareça o nível de autonomia dos membros e saiba como será a utilização dos bens da empresa.

Além disso, defina também a remuneração em caso de doença ou pensão em caso de falecimento e estabeleça um processo de sucessão. Vale lembrar que estes são alguns pontos de tensão em empresas familiares que devem ser bem discutidos e esclarecidos. No entanto, outras condições podem ser adicionadas caso os membros da família/empresa julguem necessárias.

Importante: Familiares que não trabalham na empresa, e por isso não recebem salário, legalmente têm direitos sobre a empresa. Então, pode ser importante incluí-los nas grandes decisões do negócio.

Inclua terceiros na resolução de conflitos

Ao surgirem problemas, procure ajuda de terceiros, ou seja, pessoas que não são membros da família e não fazem parte da gestão do negócio para mediar os conflitos, como consultores terceirizados, empresários parceiros e até coaches em liderança. O papel destes mediadores é, de forma isenta, auxiliar as partes interessadas a chegar a um consenso.

Coloque tudo em prática

Faça um diagnóstico da origem dos conflitos e analise, em conjunto, como resolvê-los. Para isso, coloque as dicas em prática!

Privacy Preferences
Quando você visita nosso site, ele pode armazenar informações através de seu navegador de serviços específicos, geralmente na forma de cookies. Aqui você pode alterar suas preferências de privacidade. Observe que o bloqueio de alguns tipos de cookies pode afetar sua experiência em nosso site e nos serviços que oferecemos.